Categorias
Cultura

Exposição Fotográfica Calçada Portuguesa

A calçada portuguesa ou mosaico português ou ainda pedra portuguesa é o nome consagrado de um determinado tipo de revestimento de piso utilizado especialmente na pavimentação de passeios , de espaços públicos ou privados.

De início, a pedra portuguesa foi usada como lastro dos navios que partiam de Portugal desde o século XV em busca de sonhos, especiarias e descobertas, para garantir a estabilidade da navegação. Depois, já em meados do século XIX, tomou a forma de calcetamento de praças e passeios públicos. O primeiro uso teria sido no Castelo de São Jorge, em Lisboa. Pedras com formato irregular, geralmente em calcário branco e negro, usadas para formar padrões decorativos ou mosaicos pelo contraste entre as duas cores. Logo se percebeu a harmonia estética desse jogo de cores, o preto e o branco, mais tradicionais, embora depois tivessem ficado populares também o vermelho , o azul, o cinza e o amarelo. Na sequência do sucesso no Castelo de São Jorge veio a Praça do Rossio, também em Lisboa. Movimentos sinuosos do calcário branco e preto formavam ondas, o Mar Largo, a prestar culto e homenagem aos descobrimentos e a seus heróis.

A calçada portuguesa rapidamente se espalhou em Portugal e pelas “colônias”, subjacente a um ideal de moda e de bom gosto, tendo-se apurado o sentido artístico, que foi aliado a um conceito de funcionalidade, originando autênticas obras-primas nas zonas pedestres. Daqui, bastou somente mais um passo, para que esta arte ultrapassasse fronteiras, sendo solicitados mestres calceteiros portugueses para executar e ensinar estes trabalhos no estrangeiro.

Exposição Fotográfica Calçada Portuguesa
Exposição Fotográfica Calçada Portuguesa

Em certas regiões brasileiras é possível encontrar pedras em azul e verde. A sua aplicação pode ser apreciada em projetos como o do Largo de São Sebastião, construído em Manaus no ano de 1901, o famoso calçadão da Praia de Copacabana , no passeio e no e interior da Galeria do Conjunto Nacional na Av. Paulista e no Parque da Independência no Ipiranga bem como ainda no chamado “Centro Velho” da cidade de São Paulo. Mas a pedra portuguesa não é só um revestimento. Para logo se viu a oportunidade da pedra de calçada portuguesa na arte, no design, na publicidade. Na poesia…

“Quando as calçadas alcançaram as estrelas e as pedras
conquistaram os oceanos, formaram-se estes majestosos
caminhos…”
 (Ernesto Matos)

E imortalizadas na voz de Amália Rodrigues:

“Vai de corações ao alto nasce a lua
E a marcha segue contente
As perinhas de basalto cá da rua
Nem sentem passar a gente.”

(Lá vai Lisboa – Norberto Araújo e Raul Ferrão)

Exposição Fotográfica Calçada Portuguesa
Exposição Fotográfica Calçada Portuguesa

A mandala em pedras brancas e pretas é uma linda homenagem da cidade de Nápoles a John Lennon, e da cidade de Nova Iorque que a hospeda no chão perto do Central Park, tendo ao centro a inscrição “IMAGINE”… Em 1986 , foi criada uma escola para calceteiros (a Escola de Calceteiros da Câmara Municipal de Lisboa), situada na Quinta do Conde dos Arcos e atualmente a calçada portuguesa é candidata à Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, cuja candidatura foi apresentada pela cidade de Lisboa em Outubro de 2016 e está em fase de análise na UNESCO.

Tendo em vista a evidência que a calçada portuguesa tem como símbolo nacional de grande valor patrimonial, encontrado também em diversas cidades brasileiras, a Casa de Portugal convidou a fotógrafa luso-brasileira Catarina Machado para fazer uma recolha de imagens com a finalidade de constituir um acervo para compor uma exposição fotográfica itinerante no decorrer de 2019.

As fotos foram recolhidas em Outubro de 2018 e após a seleção a exposição será constituída por 20 peças (formato 39×55 cm), sendo 18 imagens que focalizam a calçada em diversas localidades portuguesas e 2 captadas na cidade de São Paulo; uma no Parque da Independência no Ipiranga e a segunda na Galeria do Conjunto Nacional na Av. Paulista.

Considerando a recente parceria entre a Casa de Portugal e o Conjunto Nacional, localizado no único quarteirão da Avenida Paulista em que sobreviveu a calçada portuguesa, a exposição “Calçada Portuguesa” ficará aberta ao público entre 5 e 25 de Fevereiro na Galeria do Conjunto Nacional, Nacional seguindo depois um calendário itinerante por várias associações luso-brasileiras em diversos estados brasileiros com o apoio dos respectivos Consulados de Portugal locais. Esta iniciativa é uma promoção conjunta da Casa de Portugal e do Conjunto Nacional com o apoio da Associação Paulista Viva e do Consulado Geral de Portugal em São Paulo, registrando-se o patrocínio da TAP, da Caixa Geral de Depósitos, e da EDP (patrocinadores da Casa) e do Grupo Fátima Hotels e Hotel Mundial Lisboa, parceiros que apoiaram a recolha das imagens em Portugal.

Exposição Fotográfica Calçada Portuguesa
Exposição Fotográfica Calçada Portuguesa

A fotógrafa Catarina Machado nasceu em São Paulo em 1998 e desde muito pequena demonstrou suas aptidões para a fotografia capturando paisagens em suas viagens. Foi aluna do Colégio Guilherme Dumont Villares no Morumbi, concluiu o curso de Fotografia do Centro Universitário Belas Artes e atualmente é aluna do IIF – Instituto Internacional de Fotografia. Ela foi autora da exposição “Bancos – Contemplar e Integrar” que já esteve patente ao público na Galeria da Casa de Portugal e do Conjunto Nacional e que em breve estará disponível em várias estações do Metrô de São Paulo.

Nesta exposição, Catarina fotografou calçadas durante 25 dias em várias localidades de Portugal (praças, ruas e parques) nos mais variados enquadramentos. A fotógrafa revela que, “desde que a calçada portuguesa é candidata ao título de patrimônio mundial da humanidade pela UNESCO, despertou em mim um olhar mais criterioso e ao mesmo tempo poético sobre o assunto. Descobri que em várias cidades do mundo há belos exemplares de calçada portuguesa e quis aproveitar a minha viagem a Portugal para focalizar esse tema nas suas mais variáveis aplicações. Como esta exposição se insere no calendário cultural da Casa de Portugal e do Conjunto Nacional na Av. Paulista, decidi incluir também duas imagens que representam muito bem a calçada portuguesa em São Paulo, uma delas no próprio Conjunto Nacional, único espaço na Paulista onde a calçada resistiu a recentes intervenções urbanas e no Parque da Independência no bairro do Ipiranga.”

O curador Belisário dos Santos Jr. é advogado, Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco da Universidade de São Paulo – USP, com curso de mestrado em Legislação Penal Especial (USP). Produtor teatral, possui ainda especialização em Direito Administrativo pela PUC/SP. Foi procurador autárquico do Instituto de Previdência do Estado de São Paulo, de 1972 a 1998. Integrou o Conselho Penitenciário do Estado de São Paulo, representando a OAB-SP. Foi membro da Comissão de Direitos Humanos do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil. Ocupou ainda o cargo de Presidente da Associação de Advogados Latino-Americanos pela Defesa dos Direitos Humanos. Foi Secretário de Justiça
e Cidadania do Estado de São Paulo (1995/2000) e Secretário da Administração Penitenciária do Estado (1995). Hoje é membro da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo. Integra o Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta (TV Cultura) e da Fundação Mário Covas. É membro, representando o Brasil, da Comissão Internacional de Juristas, com sede em
Genebra. É diretor do Centro de Estudos das Sociedades de Advogados (CESA) e diretor da Casa de Portugal.

Fotógrafa: Catarina Machado
Curador: Belisário dos Santos Jr.

SERVIÇO:
Exposição Fotográfica “Calçada Portuguesa”
de 5 a 25 de Feveriro – Galeria do Conjunto Nacional
Av. Paulista, 2073 – Térreo
Segunda a Sexta das 07:00 às 22:00 hs
Sábados e Domingos das 10:00 às 22:00 hs
Entrada Grátis
Informações: (11) 3273-555 – karoline@casadeportugalsp.com.br

Exposição Fotográfica Calçada Portuguesa
Exposição Fotográfica Calçada Portuguesa
Exposição Fotográfica Calçada Portuguesa
Categorias
Cultura

Oficina promove contações de histórias baseadas em relatos de refugiados

 

A Oficina Cultural Alfredo Volpi promove no mês de maio contações de histórias com o grupo Contos da Lua Vaga, que cria dramaturgias a partir de relatos de crianças refugiadas. A atividade é gratuita e será aos sábados, entre os dias 13 e 27 de maio, às 13h00.

O primeiro Natal em Portugal, O barbo e Os pudins do Sr. Luiz são contos inspirados em relatos obtidos durante as pesquisas do grupo e outros publicados em mídias independentes que auxiliam crianças nos países em situação de guerra.

“São histórias de pessoas reais que poderiam ser contadas nos livros como de heróis e heroínas, mas não ouvimos falar por não estarmos preparados para ouvir. As histórias das crianças são sem dúvida de parar o coração”, conta Paula Aguiar, criadora do grupo.

O grupo Contos da Lua Vaga surgiu em 2016 com a ideia de contar histórias de pessoas reais. Idealizado em dois módulos, infantil e adulto, o grupo entrevista diversos refugiados e imigrantes além de visitar instalações e entidades que auxiliam essas pessoas no Brasil.

SERVIÇO: Contação de história na Oficina Cultural Alfredo Volpi
Onde: Oficina Cultural Alfredo Volpi
Quando: De 13 a 27/5, sábados, às 13h00
Endereço: Rua Américo Salvador Novelli, 416 – Itaquera – São Paulo/SP
Horário de funcionamento: de terça a quinta, das 13h00 às 22h00. Sextas e sábados, das 10h00 às 18h00

Mais informações: (11) 2205-5180 | 2056-5028 | alfredovolpi@oficinasculturais.org.br

Acessibilidade no local
Recomendação etária: livre.
Chegar ao local com 30 minutos de antecedência.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa – POIESIS

 

Categorias
Geral Noticias

João Doria convida Boni para assumir secretaria da Cultura em São Paulo

O prefeito eleito de São Paulo,João Doria(PSDB), formalizou convite ao publicitário, empresário e ex-executivo Globo José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, para ser o secretário de Cultura de São Paulo.

De acordo com o blog Gente Boa, do O Globo, Boni ficou animado com o convite e está inclinado a aceitá-lo.

“Os planos do Doria são fascinantes e eu penso seriamente em aceitar”, diz Boni. “Fiquei entusiasmado, mas agora preciso ver toda a logística de uma mudança do Rio para São Paulo”.

Doria deve anunciar a lista de secretários nos próximos dias.

Categorias
Cultura Destaque slide

Projeto apresenta 32 espetáculos de graça em 12 dias em SP

alziraeLA33067194F9949199058FC4A751905E6

A 5ª edição do projeto Plataforma Proac, realizada no Teatro Sérgio Cardoso, apresentará de graça 32 espetáculos que incluem dança, música, teatro e circo. As produções escolhidas são contempladas pelos Editais do Programa de Ação Cultural (Proac).

A mostra é anual e busca dar visibilidade aos artistas em conjunto com a Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo.

Mais de 30 companhias paulistas devem participar das atividades. Ao todo, serão 12 dias de exibição, desta quarta, 16, a 27 de julho.

Os espetáculos serão realizados nas salas Paschoal Carlos Magno e Sérgio Cardoso. A abertura oficial do evento será nesta quarta, 16, às 20h e a primeira atividade será o show “O que vim fazer aqui”, de Alzira E.

Os ingressos para a Plataforma Proac são grátis, porém devem ser retirados com uma hora de antecedência na bilheteria do teatro.

Informações:

Teatro Sérgio Cardoso

Endereço: Rua Rui Barbosa, 153 Bela Vista São Paulo SP

Telefone: (11) 3288-0136

Site: www.apaacultural.org.br

Horário da bilheteria: de segunda a domingo, das 14h até o início do espetáculo

 

 

Dia 16/07 –
20h Abertura Oficial
20h30 (Música) “O que vim fazer aqui”, de Alzira E.

Dia 17/07 –
15h (Teatro Infantil) “Aaaah! Fantasmas!”
19h (Teatro) “História dos Porões”
20h30 (Música) “Antonio Loureiro e Ricardo Herz”

Dia 18/07 –
15h (Teatro) “A cidade dos rios invisíveis”
20h30 (Dança) “Aos Vencedores as Batatas”

Dia 19/07
19h (Música) “Marco Pereira e Toninho Ferragutti”
20h30 (Dança) “Platô”

Dia 20/07
15h (Teatro Infantil) “Felpo Filva” – Ensaio Aberto
19h (Música) “Victor por Vitor: Um sax brasileiro”
20h30 (Teatro) “Animais na Pista” (Leitura Dramática)

Dia 21/07 –
17h (Teatro de Rua) “Rodada de projetos”
19h – (Teatro) “Condomínio Nova era” (Ensaio Aberto)
20h30 (Dança) “Terra Trêmula”

Dia 22/07 –
15h (Teatro) “A cidade dos rios invisíveis”
Classificação: Livre
19h (Música) “Ceumar”
20h30 (Teatro) “Uma opereta barata”

Dia 23/07 –
15h (Dança para Crianças) “A Mão do Meio – Sinfonia Lúdica” (Pré-Estreia)
19h (Música) “Cordal – Almir Côrtes e João Paulo Amaral”
20h30 (Dança) “Tupiliques – O Espetáculo”

Dia 24/07 –
15h (Teatro) “O Mamulengo dos Três Vinténs”
19h (Música) “Panorama do Choro Contemporâneo Paulistano”
20h30 (Teatro) “A História do Comunismo Contada aos Doentes Mentais”

Dia 25/07 –
17h (Circo) “Rodada de Projetos: Circo”
19h (Música) “3,1415 – Luiz Pinheiro”
20h30 (Dança) “Cicatriz” (pré-estreia)

Dia 26/07 – sábado
15h (Teatro Infantil) “Vovó Rock and Roll”
19h (Dança) “Girar”
20h30 (Teatro)“Cartas”

Dia 27/07 –
19h (Música) “Alexandre Ribeiro Quarteto”
20h30 (Teatro) “Mundomudo”