Categorias
Musica

Matheus Oliveira se consagra como DJ no sul de Minas Gerais

Seu nome de batismo é Matheus Oliveira. Seu nome artístico? DJ Matheus Pegazus. Reside na cidade de Boa Esperança, no sul do Estado de Minas Gerais e se apaixonou pela música aos 8 anos de idade observando outros DJ’s famosos e locais.

Aos 12 anos, Matheus realizou seu primeiro show tocando em um casamento. Desde então, nunca mais parou. Começou a fazer cursos para se aprimorar na profissão e tocou com vários amigos DJ’s, onde também teve a oportunidade de aprender muito com eles.

Atualmente, aos 18 anos de idade, o DJ ganhou um grande apoio com a chance de participar de várias festas mostrando o seu trabalho através do amigo Gilson Negron.

Além de fazer apresentações como DJ, Matheus segue criando seus próprios remixes e trazendo inovação em cada apresentação com espetáculos inesperados e criativos.

Matheus já entrou o ano de 2020 sendo convidado a participar de inúmeras festas de um bloco de carnaval de Boa Esperança/MG. Um jovem que passou por inúmeras dificuldades ao longo de sua infância e adolescência, mas que nunca desistiu do seu sonho e de dar sempre o seu melhor em cada apresentação.

Categorias
Destaque Famosos

Rodrigo Phavanello pede Sabrina Paiva em casamento nas areias da Praia da Reserva

O romance entre Rodrigo Phavanello e Sabrina Paiva, que começou durante “A Fazenda”, no ano passado, ficou mais sério no réveillon. O galã aproveitou a virada do ano e pediu a amada em casamento. A cena romântica aconteceu no quiosque CocoMambo Praia, na Ilha 9, nas areias da Praia da Reserva, onde o casal curtiu uma luxuosa festa ao lado de amigos.

Apaixonado, Phavanello surpreendeu a Miss São Paulo com direito a pedido de joelhos e muito romantismo. Sabrina, emocionada com a declaração, nem titubeou e disse: “Sim!”.

O casal comemorou a chegada de 2020 ao lado do dono do CocoMambo, Jota Oliver, e não se desgrudou durante toda a festa. Agora, a expectativa é para saber se o casório vai sair ainda neste ano. Pela rapidez com que os ex-fazendeiros ficaram noivos, não surpreenderia se o casamento acontecesse ainda em 2020.

Categorias
Noticias

Direito do bancário – hora extra além de 6ª diária e demissão irregular por suspeita de fraude

Com o advento da lei 13.467 de 2017, popularmente conhecida como “Reforma Trabalhista”, que passou a vigorar em 11 de Novembro de 2017, diversas categorias tiveram direitos alterados, e muitos até mesmo subtraídos.

Uma das categorias profissionais que sofreram um grande impacto com as alterações trazidas pela reforma foi a categoria dos bancários, que a partir de 2018, tiveram um dos seus maiores pedidos na justiça do trabalho, que colocou em foco o descontentamento dos bancários quanto as horas extras além da 6ª diária, para os casos reconhecidos como não sendo cargo de chefia/confiança.

De acordo com a nova lei, segundo o Art. 611-A, uma das maiores alterações trazidas pela reforma foi a possibilidade de os sindicatos dos empregados negociarem com maior abrangência os direitos dos seus representados junto aos sindicatos dos empregadores, e tais negociações deveriam prevalecer até mesmo sobre a própria legislação trabalhista.

“Esse novo dispositivo de lei trouxe ao ordenamento trabalhista uma nova situação conhecida como “Negociado Sobre o Legislado”, ou seja, a matéria negociada entre sindicatos, mesmo que contrária a CLT, teria plena validade.” – comenta o Dr. Alisson, especializado em Direito Trabalhista da equipe do escritório Cavalcante Muniz Advogados.

É de conhecimento público, dos funcionários de estabelecimentos bancários, e daqueles que buscam seus direitos trabalhistas, que os bancos, com o intuito de fraudar a legislação trabalhista, confere a alguns profissionais a nomenclatura de cargos de chefia/confiança, mesmo não sendo de fato, e pagam a gratificação de função, afim de que o funcionário que deveria trabalhar somente 06 horas diárias e 30 horas semanais como preceitua o Artigo 224 da CLT, passe a trabalhar 08 horas diárias e 44 horas semanais, sem a devida remuneração das horas extras além da 6ª diária.

Diante deste cenário, os bancários, quando concluíam o seu contrato de trabalho, buscavam quase que imediatamente o judiciário trabalhista, requerendo o reconhecimento de que seu cargo não era de fato de chefia/confiança e requerendo as horas extras além da 6ª diária trabalhadas durante todo o contrato de trabalho, e o assunto vinha sendo bem tratado pelo judiciário até a vinda da nova reforma, o que tem causado ampla discussão entre os maiores escritórios de advocacia do país com o judiciário trabalhista.

“As alterações das normas da convenção coletiva só podem ser aceitas nos contratos firmados a partir de sua vigência, pois quando se altera um direito que já faz parte do patrimônio do trabalhador, é o mesmo que anular um ato jurídico consumado, seguindo as normas vigentes no tempo que se efetuou, pois já se tornou apto para produzir seus efeitos, não podendo por lógica jurídica uma norma posterior revogar um ato jurídico perfeito que ocorreu antes da sua vigência[…]” – continua o advogado da equipe Cavalcante Muniz Advogados.

“[…] Além do mais, a Justiça do Trabalho já pacificou o entendimento de que os valores pagos a título de gratificação de função não podem ser deduzidos do total de horas extras deferidas.” – completa o jurista.

Sendo assim, por entendimento de todos os advogados da Cavalcante Muniz Advogados, um dos maiores escritórios de advocacia do estado de São Paulo, e compartilhando da opinião com diversos escritórios de direito do país, é incabível a dedução dos valores de horas extras reconhecidas em sentença, e nesse sentido a advocacia trabalhista bancária vem trabalhando afim de garantir os direitos dos empregados em instituições bancárias, pois os bancos se utilizam do excelente serviço prestado por seus colaboradores e não o remuneram da forma correta.

Segundo o Dr. Ilmar Muniz, diretor do escritório Cavalcante Muniz Advogados, algo ainda mais grave vem acontecendo em desfavor dos bancários: instituições financeiras têm recorrido a uma suposta suspeita de fraude, a fim de demití-los por justa causa e livrar-se dos pagamentos dos direitos trabalhistas devidos.

“Os bancos possuem, em seu quadro de funcionários, profissionais dedicados e com 20, 30 anos de empresa. Sabem, portanto, que uma ação trabalhista de um profissional desse porte geraria uma ação trabalhista alta. Então, os bancos buscam diversas maneiras de se livrarem dessas ações, como por exemplo, um caso que acompanhamos aqui no escritório, um banco demitiu um profissional por justa causa sob uma possível suspeita de fraude, sem prova alguma e sem a existência da prática fraudulenta, para não precisar pagar os direitos trabalhistas. Essas ações podem até passar de 1 milhão de reais, então, neste caso, usaram de uma suspeita de fraude para se livrar da ação, colocando sob suspeita a idoneidade do profissional bancário” – denuncia o jurista Ilmar Cavalcante Muniz, professor de Direito Penal e Constitucional e proprietário do escritório Cavalcante Muniz Advogados, um dos mais respeitados escritórios de advocacia do estado de São Paulo.

Ainda segundo o Dr. Ilmar Muniz, mesmo com a vinda da nova lei de que trata tal “reforma”, os trabalhadores do setor bancário que se sentirem lesados pelas práticas aqui citadas, podem e devem procurar auxílio jurídico para requerer, junto ao judiciário, todos os seus direitos.

Categorias
Televisao

Série “O Diário de Mika”, estreia na programação da TV Rá Tim Bum

A série infantil O Diário de Mika, é uma das apostas da nova programação, em comemoração aos 15 anos da TV Rá Tim Bum. A nova grade do canal por assinatura da Fundação Padre Anchieta conta, desde o início do ano, com o reforço da animação que foi indicada ao “Emmy Kids”, e que já é sucesso em canais como a Disney Junior, TV Cultura, TV Escola, Band e Rede Brasil de Televisão e em plataformas como Netflix e PlayKids.

A série que contou com recursos do Procult do BNDES e Funcine Rio 1, foi produzida pela Supertoons, o mesmo estúdio que produziu os sucessos “Carrossel em Desenho Animado” (SBT), “Os Chocolix” (Nickelodeon), “Senninha na Pista Maluca” (TV Cultura), entre outros, e que tem como fundadores Dario Bentancour Sena e Elizabeth Mendes, profissionais da animação desde os anos 1980.

A história da série gira em torno de Mika, uma menina de 4 anos muito curiosa, que está aprendendo a lidar com todas as novidades que o mundo tem a oferecer. A cada acontecimento que surge em sua vida, ela corre até seu quarto e, por meio de desenhos feitos em seu tablet, conta o que está acontecendo para seus amigos brinquedos (Lilá, Blá blá, Javô, Puquê, Abelhuda e Bru), que ganham vida em sua presença. Com a ajuda dos amigos, Mika vai investigar, aprender e descobrir um monte de coisas novas em suas aventuras, que ensinam e divertem a garotada!

Atualmente a série que é um fenômeno infantil no Brasil, conta com mais de 730 mil inscritos no canal oficial do YouTube, e é exibida em mais de 100 países em todos os continentes.

Na TV Rá Tim Bum a série é exibida de segunda a sexta as 04:35, 11:40 e as 17:40, aos sábados as 04:35, 13:45 e 22:30 e aos domingos 05:20 e as 22:30.

Com sete milhões de assinantes, o canal voltado a crianças de zero a oito anos pode ser visto em mais de 60 operadoras associadas à NEO TV, além de dez operadoras independentes como Embratel, Claro, Oi e Telefonica. Saiba mais em www.tvratimbum.com.br.